Pages

Wednesday, January 21, 2009

Livro sobre o vim

Acredito que maior parte dos leitores desse blog já tenha ouvido falar da notícia, mas esse é um daqueles casos onde não custa ser repetitivo. Pode ser que alguém ainda não conheça a notícia, ou melhor, não tenha percebido a importância dela.

Bem, o Sérgio do VIVAOTUX criou um projeto no Google Code que constitui um livro sobre vim escrito em LaTeX.

Quem quiser contribuir com a evolução do projeto pode se inscrever no grupo do livro ou ajudar a promover o mesmo.

Profissionalmente, esse livro é muito importante para mim. Completamente indispensável. Embora eu já tenha conhecimento básico sobre o vim, qualquer conhecimento adicional pode ser a diferença entre fazer uma certa coisa de forma simples ou de uma forma muito complicada. Atualmente estou no começo do livro e logo nas primeiras páginas eu já obtive informações que tornaram minha vida mais fácil. Mal posso esperar para chegar nas páginas finais.

Se você ainda não sabe o porque de utilizar o vim ao invés de um programa gráfico, eu poderia listar uma centena de motivos, mas minha melhor dica é: experimente. Experimente sem preconceitos e com o mínimo de comprometimento. Deixe que essa experiência responda essa pergunta por você. É sempre melhor do que simplesmente acreditar no que é dito.

6 comments:

  1. Amigo Mitre, lembre-se de compilar vez por outra o livro em sua mais nova versão, todo dia está recebendo atualizações!

    Obrigado por divulgar o projeto

    ReplyDelete
  2. Meu caro,

    essa questão foi o maior problema que eu estou tendo. Fato, é que eu peguei uma versão e comecei a ler. No meio tempo fui fazer umas anotações no próprio LaTeX em forma de comentário e perdi tudo feito ao esquecer que não devia ter "atualizado" a versão do livro (nem sei se atualizou ou só restaurou, sei apenas que meu estado naquele momento não pode ser transcrito em um blog de nível familiar).

    Então, nesse final de semana eu vou pegar uma versão e congelar ela no meu computador (controle de versões é outra coisa que eu devia aprender) para ler ela inteira (da forma que estiver) só depois eu pensarei em atualizar novamente.

    Coisas da vida ...

    ReplyDelete
  3. Opa Mitre!

    Eu sou leitor do blogue e não sabia! Mas agora já sei :-)

    Mas eu ainda preferia ler 2 motivos pra se usar o vim!

    Eu só uso em situações bem específicas, quando não posso usar interface gráfica :-)

    editar arquivos no dreamhost via ssh :-)

    Mas prefiro mil vezes o gedit, sem flames por favor :-)

    Mas óbvio que vou conferir o livro, é sempre bom conhecer truques novos :-)

    ReplyDelete
  4. Sergio (Lima), vejamos motivos:

    - personalização de comandos dentro do texto: o gedit tem coisa similar para algumas funções específicas. No vim, é possível criar formulações/funções de acordo com sua vontade. Se tivesse que fazer um paralelo funcional, eu me lembraria das macros.

    - Divisão das janelas em amplas configurações. Nem sei se o gedit tem algum plugin que faça isso, mas eu já abri 3, 4 arquivos e não tive problemas em colocar eles lado a lado, etc. Se tiver uma tela grande, isso é extraordinário (na universidade, eu uso hoje uma 22 wide)

    - Identificação de código. Eu sei que o gedit faz isso, e até faz bem, mas o vim faz melhor, especialmente por conta da comunidade é possível incluir inúmeras configurações de identificação de código (que não precisa ser código, pode ser um simples txt com uma palavra que queria sempre ver destacada).

    - É possível abrir o manpage dentro do vim. Criar alguma anotação nela e salvar como um novo arquivo texto (experimente man ls| vim -). Aliás, isso funciona com a saída de tela de outros programa, não apenas o man, mas o gedit não absorve isso.

    - já ouviu falar no vimdiff, é uma (acho) variante do vim que faz a verificação do que é diferente entre dois arquivos automaticamente (será que dá para fazer usando apenas o vim ? Ainda não sei, mas o vimdiff é o vim com esse "a mais")

    - acesso remoto (como mencionou), nele é fundamental.

    - O vim tem identificação de arquivos de configuração do linux. Ele conhece os arquivos de configuração do sistema, coisa que o gedit quando faz, faz apenas para uns 2 ou 3 arquivos mais famosos (experimente abrir um conf local qualquer com os dois e me diga se viu algo diferente, experimente o xorg.conf)

    - É leve e existe em quase todos tipo de sistema operacional GNU/Linux. O mesmo não se pode dizer o gedit. Um sistema que só tenha KDE vai ter que conviver com todas as diferenças e peculiaridades do Kate.

    Tá bom, não ?

    Eu acho que todo editor de textos é funcional, afinal um editor de textos edita texto. Nada mais...

    Agora, você quer programar em uma linguagem pouco popular ? Você quer utilizar "macros" ? Você costuma fazer anotações no manpage ? Abre mais de um arquivo lado-a-lado por vez ? Gosta de cores ao editar seus arquivos de configuração? Sim ? Pode ser que o vim te ajude muito. Embora ele não seja o único que faça a função x ou y.

    Um abraço,

    ReplyDelete
  5. experimente o scite, um otimo editor

    ReplyDelete
  6. Não mais... o problema desses editores é que eles são viciantes. Depois que você se fixa em um, ficaria quase impossível para mim dizer que o outro é melhor, mesmo que seja. A diferença entre os dois deveria ser MUITO grande para que qualquer diferença seja percebida.

    No caso específico do Scite, eu teria que aprender Lua para conseguir fazer algumas coisas que faço hoje com o vim.

    Um abraço

    ReplyDelete