Pages

Tuesday, December 23, 2008

openSUSE 11.0 para 11.1 - parte 2

Eu fiquei surpreso com a repercussão do meu texto sobre a atualização do openSUSE do 11.0 para o 11.1.
Tive dois comentários que me fizeram crer que o meu texto era uma crítica, ou melhor, como se o processo de atualização fosse um fato crítico extraordinário.

Bem, não vejo assim. O openSUSE não foi feito para ser atualizável entre versões. Não é para ser possível/fácil atualizar do openSUSE 11.0 para o 11.1. Se eu consigo, eu devia agradecer.

A filosofia, a recomendação, é: instale do zero. Se eu não gosto disso (e eu não gosto), paciência.

Dito isso, lembre-se que essa recomendação, instale do zero, é o procedimento padrão da maioria das distribuições que não são baseadas no Debian.

Duas coisas são ruins no openSUSE:
  1. a capacidade de resolver conflitos de dependência. Melhorou muito das versões 10.x para a 11.x, mas ainda é patético frente a capacidade de fazer o mesmo trabalho dos sistemas Debian e similares.
  2. o fato de que ele baixa e instala os aplicativos ao mesmo tempo (ao contrário da maioria que primeiro baixa tudo e depois instala tudo)
Do item 1, vem a dificuldade de fazer atualizações entre versões de openSUSE - se a solução de conflitos, atualizar o sistema todo, sem ser por partes, é complexo se você tiver muitos pacotes de repositórios não oficiais.

Do item 2, mostra um problema em particular do openSUSE que eles estão trabalhando para resolver atualmente (se eu não me engano, a solução já existe, mas ainda não é habilitada por padrão). Se o pacote X é baixado e imediatamente instalado, mas se ele depende do pacote Y que ainda não foi baixado, X não funciona ou não funciona direito até que Y seja baixado e instalado. Dessa forma, eu posso ter dificuldades de continuar utilizando softwares durante o processo de atualização. Se esse processo for longo, isso é crítico. Você deve parar de trabalhar, e cruzar os braços durante o processo e só depois pensar em utilizar o sistema. Posso ter ainda mais problemas se o sistema parar em algum ponto crítico de atualização por algum problema externo como falta de luz ou queda na rede.

Ainda vale lembrar, que mesmo não sendo recomendado apenas atualizar o sistema, quem quer fazer isso, deveria fazer o que o openSUSE sugere, baixar o DVD e utilizar a opção, atualizar sistema que existe na interface do DVD. O problema dessa solução é que ela não vai atualizar pacotes que não estão nos repositórios oficiais (e portanto, no DVD). Pode, nesses casos, gerar conflitos sérios de dependências. Como eu uso 15 repositórios não oficiais, utilizar essa opção no meu caso é suicídio.

Essa é vida como ela é. Sem cobertura de chocolate ou qualquer maquiagem. Mas eu não vejo como algo crítico que o sistema não tenha uma filosofia de atualização entre versões. Vejo apenas como um bônus que mesmo não tendo essa filosofia, a atualização seja possível.

10 comments:

  1. Faz um post com os repositórios extras que você utiliza!
    Abraços

    ReplyDelete
  2. Meu caro,
    não sei se cabe !!!
    vou pensar no caso... se ele surgir, apenas no ano próximo ano...

    ReplyDelete
  3. estava usando o opensuse 11.0 e instalei do zero a versão 11.1 e digo que não gostei...achei que andou p/ traś..muitos bugs chatos e o KDE4...tem mto o que melhorar.... como decidi retirar a versao 11.0, vou dar uma experimentada no fedora 10 antes de voltar a 11.0

    ReplyDelete
  4. Eh! É verdade.
    O KDE 4 atual está com algumas coisas que eu também não gostei.
    Logo no início no novo ano eu irei publicar um tópico sobre minhas segundas impressões. Ele vai reunir tudo de bom e ruim que eu estou vi e verei até lá.

    Abraços!

    ReplyDelete
  5. Thiago Damasceno19/1/09 01:21

    Olá Mitre, gostaria de saber se você teve algum problema na parte de som. Eu instalei o openSUSE 11.1 e o som não saía de jeito nenhum. Encontrei em alguns fóruns comentários de que isso seria um problema de kernel e não de uma distribuição em si. Você sabe como contornar esse problema? Grato.

    ReplyDelete
  6. Não, Thiago, eu não tive nenhum problema com o som. Contudo, isso é muito particular para o conjunto drive/dispositivo.

    É muito difícil supor uma solução para um problema desses as cegas.

    Ah! Eu tenho informações diretas sobre o funcionamento do openSUSE 11.1 em diversos computadores e um laptop, em nenhum deles foi relatado problemas com o som.

    Um abraço

    ReplyDelete
  7. Thiago Damasceno20/1/09 10:08

    Olá Mitre, andei lendo alguns relatórios de bugs da Novell e descobrí que se trata de um bug relacionado com algumas placas Intel. Foram propostas algumas soluções mas ainda não são as ideais. Obrigado pela ajuda de qualquer maneira. Estou gostando do blog. Abraços.

    ReplyDelete
  8. Olá Mitre, tive problemas para configurar o compiz no openSUSE 11.1 (a barra de título das janelas desaparece ao ativar). Já encontrei uma vez como resolver, quando instalei o opensuse 11.0, mas não encontrei novamente. Sabe o que deve ser feito?

    ReplyDelete
  9. Puxa, eu já não uso o openSUSE 11.1 a um bom tempo, não me lembro da resposta.
    [ ]'s

    ReplyDelete
  10. Amigo vc não é o único a pensar assim, já usei o opensuse 9, 10 11 e agora o 12 com todas as subdivisões de .1 a .3, sempre os mesmos problemas, e com ambientes gráficos KDE e GNOME, tanto faz, é incrível como o pessoal do opensuse ainda continua a cometer os mesmos erros, o sistema de dependências de pacotes é extremamente cansativo, as vezes coloca mais de quatro perguntas como varias respostas e tudo em bom inglês. Atualizar versão nem pensar, mesmo que vc faça tudo que de acordo com o pessoal do opensuse, não adianta não vai funcionar. E tem mais eu adoro o opensuse, eu uso opensuse desde a versão 4 e sempre gostei dele pela performance e segurança, mais para entrar no mundo desktop e se firmar como uma distro fácil para usuários leigos falta muito, do jeito que vai com certeza o padrão em Gnu/Linus será o sistema de pacotes DEB, pois o sistema de pacotes RPM ficará apenas restrito a hackers e empresas. Repito não é critica é a constatação de uma realidade em experiência no campo.

    ReplyDelete