Pages

Tuesday, August 07, 2007

A Liberdade e a Responsabilidade de Imprensa

A primeira regra da imprensa diz que toda liberdade deve ser preservada. Subentende-se, entretanto, que tal liberdade só está assegurada quando ponderada pela responsabilidade. Há, portanto, um desequilíbrio, pois toda liberdade está assegurada, ponderada pela responsabilidade definida por cada um, ou seja, a liberdade é universal, mas a responsabilidade é pessoal. Se todas as pessoas fossem perfeitas essa relação também seria, mas a vida não é assim...

O parágrafo acima só serve mesmo para ilustrar uma realidade no mundo da fantasia. Por que nem de perto os jornalistas são tão livres, como também a responsabilidade não está nas mãos de um só. Mas o problema é justamente essas duas questões. Os jornalistas são obrigados a cumprir pautas. Devem obedecer a alguém. Devem produzir matérias que vendam jornais ou tempos de propaganda. Há muito dinheiro envolvido e tudo fica muito mais turvo, porque é preciso ter qualidade e manter o funcionamento do jornal ao mesmo tempo.

A boa imprensa mostra a verdade como ela é, e em todos os lados da questão. Não julga enquanto faz isso. Depois, e ela pode*, sim, apresentar a sua opinião própria deixando claro que se trata de opinião, seja ela qual for (*o "pode" é o que define a imprensa de esquerda, direita ou chapa branca, em alguns países isso é crítico, no Brasil nem tanto).

Eu não preciso dizer que a imprensa deixa um pouco (às vezes muito, às vezes não) a desejar, mas pela forma do que pelo conteúdo (no Brasil eu acredito que ela diga verdades do jeito errado, mas isso é minha opinião). Mas isso faz parte. Não vale gritar e dizer que é isso ou aquilo, que é justo ou não, etc. Quem lê/vê imprensa de verdade e entende, absorve o conteúdo e não a forma. Quantas vezes você não comentou com um amigo que achava que "ontem" tinha sido exagerado ou esquecido coisa A ou B ?

Sim, você! Porque quem lê blogs de informação, normalmente têm uma preocupação com a qualidade daquilo que lê/vê. Ele quer opiniões diversas, de diversas fontes, de diversas formas, contrárias e iguais as suas. Ele quer ver os diversos lados que ele sozinho é incapaz de visualizar, porque simplesmente, é uma pessoa apenas. Isso enriquece e fortalece culturalmente o indivíduo, no caso, você leitor, permitindo ter uma visão acurada da forma que as coisas são, e assim, lutar para melhorar o seu ambiente de vida pessoal e social.

Pois bem. Agora imagine se tudo que eu disser aqui for mentira. Cruel, não ? Então imagine que não é mentira, mas apenas cópia de outro lugar. Mais cruel ainda! Te fez perder um bom tempo, atrás da mesma informação que as vezes nem é a opinião de quem escreveu, é apenas aquilo que te faz ficar bem no google, o que faz ter bons visitantes e gerar um boa renda.

Ok! Claro que generalizar é um absurdo tão grande quanto ignorar o problema. Mas é preciso entender de frente uma questão: cresce o número de blogs, mas e a qualidade ? São os autores capazes de diferenciar o conteúdo da forma ? São eles capazes de fazer uma pequena pesquisa para determinar a veracidade ou a mentira de um fato antes de publicar ? São eles aptos a perceber que não entendem de centenas de assuntos com a mesma profundidade, e portanto não podem comentar tudo como se fosse os maiores especialistas no assunto ? Bom, resumindo a história, não imagina a minha tristeza que foi ler os blogs depois do recente acidente de avião.

Não vou dizer tudo que vi, mas apenas para me justificar, tinha gente publicando uma falsa foto de uma pessoa cremada supostamente uma das vítima que tinha sido publicada pelo portal UOL e que foi retirada do ar algum tempo depois porque era falsa. É claro, se o UOL cometeu esse erro, porque fulano também não podia cometer ? Seria uma detalhe se não fosse duas coisas, post em questão foi publicado dois dias depois, muito tempo depois do UOL ter retirado a foto do ar e dado destaque a engano. E segundo: Porque publicar isso ? Tá, o UOL fez. E daí ? Todos tem a liberdade de fazer isso - a liberdade de imprensa assegura - mas e a responsabilidade ? E o bom senso ? Alguém pode achar certo divulgar uma foto verdadeira que ilustre esse fato, outros errado. Eu acho errado. Esse é um caso, de um blog, de uma foto, mas teve outros. Não sei se piores, mas casos que me fizeram virar o rosto da mesma forma. Que fique claro que escrever sobre o assunto não é o problema, mas é forma que é feito que é a questão. Isso tudo me fez lembrar do apresentador Ratinho, que em entrevista, certa vez, ele disse que não gostava que os filhos vissem o programa dele. Mas um exemplo de "forma". A forma que ele apresentava era boa para os filhos dos outros, mas para os dele não.

Eu passei um bom tempo pensando o que fazer, e o que estou fazendo é repensar o que leio e como leio. Simples assim. Dos meus quase 600 feeds (entre blogs nacionais, internacionais e agências de notícias de tecnologia), agora eu tenho pouco menos de 200. É uma pena, porque minha vontade era ver 450 opiniões diferentes sobre um determinado tema, o que eu vi foram 400 blogs replicando ou resumindo o conteúdo de portais de notícias. Então eu volto a perguntar: o número de blogs cresce todos os dias, mas e a qualidade ? Como está ?

6 comments:

  1. Olá, Mitre.

    Também não fico animado quando vejo números relativos ao crescimento do número de blogues justamente por esse motivo, quantidade não significa qualidade. De nada adianta ficar copiando material de grandes portais e blogues, o que vale é o conteúdo de original e de qualidade, que sabemos que não é nada fácil de se produzir. Vejo muitos blogues que estão disfarçados de jornais, só apresentam notícias copiadas e sem nenhuma opinião do autor. Se for para manter um blogue assim, melhor nem criar um.

    Bem, por hoje é isso, até mais!

    ReplyDelete
  2. Não é só na área de tecnologia que os reblogueiros "escrevem para o google ler", desisti de procurar conteúdo de qualidade no ramo do direito. Quando do lançamento do meu blog sobre direito e tecnologia farei questão de citar este post. prefiro ficar uma semana sem dizer absolutamente nada do que replicar comentários e opniões que não são minhas ou das quais não tenho conhecimento suficiente para formar e expor o meu ponto de vista.

    Realmente, de Ctrl+C/V já basta os jornais que precisam encher as colunas para vender publicidade.

    ReplyDelete
  3. Bruno e José, obrigado por acrescentarem suas opiniões. É isso aí. Pelo menos assim eu percebo que não sou só eu que sou exigente.
    Até mais.

    ReplyDelete
  4. Opa Mitre!

    Infelizmente os blogues são escritos pelas mesmas criaturas que escrevem livros, revistas, jornais, artigos científicos, e etc....

    E, do mesmo modo, cresce a quantidade mas a qualidade continua a mesma, logo a densidade de qualidade do blogues tende a diminuir :-) Assim como, ocorre nas revistas... você entra hoje numa banca e tem revistas de tudo quanto é assunto, numa quantidade muito maior que há 10 anos atrás... mas qualidade...

    Isso, tudo só pra dizer que concordo com o núcleo do teu texto :-)


    []'s

    ReplyDelete
  5. Pois é, Sérgio, mas a pior parte é que não há nenhum vislumbramento de modificação desse cenário.

    As pessoas podem ser as mesmas, mas as oportunidades são diferentes. No blog não precisa existir pressão para escrever, não precisa ter chefe, etc.

    O que não podemos é nos conformar, basta não "comprar" a "revista" ...

    Abraços

    ReplyDelete
  6. Eder Pettenan18/3/08 22:18

    Grande Mitre, tive um problema aqui na minha cidade, um amigo foi muito prejudicado pela publicação incosequente de algumas informações, aguardei uns dias e resolvi escrever sobre o assunto, depois do texto pronto resolvi dar uma pesquisada na parte legal de o que fizeram com ele, e esse seu topico fala exatamente o q ue eu procurava muito esclarecedora a tua opinião, será citada com os devidos créditos

    parabéns pelo blog

    ReplyDelete